HOME
Search 2003 Abstracts

Return to Table of Contents

072

COLESTEROL NÃO HDL E SUA ASSOCIAÇÃO COM VARIÁVEIS DE RISCO CARDIOVASCULAR – ESTUDO DO RIO DE JANEIRO

R Pozzan, AA Brandão, ME Magalhães, AP Brandão

Rio de Janeiro, Brazil

JUSTIFICATIVA: Em alguns estudos, o colesterol não HDL (n-HDL) mostrou-se um preditor de risco cardiovascular superior ao colesterol LDL, tendo ainda a vantagem de que sua determinação não sofre influência da alimentação e dos níveis de triglicerídeos.

OBJETIVOS: estudar a distribuição do n-HDL em uma série de casos do Rio de Janeiro e a sua correlação com os demais fatores de risco cardiovascular.

METODOLOGIA: Em 2069 indivíduos de 4 a 93 anos (56,5% F) foram realizadas dosagens de colesterol, HDL colesterol e triglicerídeos, sendo o LDL calculado pela fórmula de Friedwald e o n-HDL como: Colesterol total - HDL. Os valores de n-HDL foram comparados entre os sexos em diferentes faixas etárias e correlacionados com outras variáveis clínicas e metabólicas. Foram determinados os quintis de n-HDL segundo o sexo e faixa etária.

RESULTADOS: 1) As médias do n-HDL colesterol aumentaram de acordo com as faixas etárias: até 19, de 20-39, 40-59 e ³ 60 anos, em ambos os sexos (p<0,05); 2) Considerando-se as quatro faixas etárias, as médias do n-HDL no sexo masculino foram de: 103,49±36,61; 137,83±42,53; 172,06±43,66; 176,13±42,04 e no sexo feminino de: 103,74±37,13; 134,17±40,65; 171,79±52,13; 191,47±48,88, havendo diferença significativa na comparação entre os sexos na amostra total e na faixa etária ³ 60 anos; 3) O n-HDL mostrou correlação significativa com a idade, a PAS e PAD, o IMC, a glicose (G) e a insulinemia (Ins) de jejum (p<0,001); 4) em análise multivariada, 36,3% da variação do n-HDL puderam ser explicados pela idade, IMC, log insulina e glicose (p<0,001), sendo que o sexo, tabagismo, sedentarismo, história familiar de DCV, PAS e PAD não permaneceram no modelo; 5) O quarto e quinto quintis de n-HDL apresentaram maiores médias de IMC, PAS, PAD, G e Ins (p<0,001); 6) O quinto quintil de n-HDL apresentou maior prevalência de hipertensão arterial, diabetes e sobrepeso/obesidade (p<0,001).

CONCLUSÃO: O n-HDL colesterol mostrou agregação importante com os fatores de risco cardiovascular, independente do sexo e faixa etária. Os valores mais elevados observados nas mulheres na faixa ³ 60 anos podem ser decorrentes de um viés de sobrevida, onde os homens com maiores valores de
n-HDL teriam apresentado maior mortalidade em faixas etárias anteriores.

DC

NEXT